Empreender em tempos de pandemia: Empresária de Colatina se adapta e conquista mercado no ramo de vestuário

Publicidade

banner topo matérias 728x90px

Desde do início da pandemia, muitas pessoas e empresas precisaram se adaptar ao trabalho em home office. O trabalho em casa demanda de organização e planejamento para que as tarefas sejam cumpridas, mas essa nova modalidade de trabalho, também permite, muitas vezes, mais conforto no vestuário.

A mudança no comportamento foi notada pela empresária Wesllayne Borges da Silva Dell Santo, proprietária da Le Pelle Moda Intima, que fica em Colatina e é um comércio especializado em lingerie e roupas íntimas, como pijamas.

A empresária explica que a loja iniciou suas atividades há um ano e coincidiu com o início das medidas de distanciamento social adotadas. Neste primeiro momento, com a loja em funcionamento restrito pelas medidas adotadas, buscou investir na divulgação via redes sociais e viu a necessidade de buscar capital de giro para manutenção das atividades. “Fui fazendo a divulgação pelo aplicativo Whatsapp, pelas redes sociais e trabalhava com as portas fechadas até conseguir uma venda satisfatória no dia. Depois fazia entrega das mercadorias aos clientes”, afirma.

Wesllayne buscou recursos para investir em estoque da sua empresa junto ao programa Desenvolve Rio Doce, operado pelo Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes), que atende empreendimentos dos municípios de Baixo Guandu, Colatina, Linhares, Marilândia e o distrito de Barra do Riacho, em Aracruz.

“Havia investido na reforma da loja e na compra de mercadorias para estoque, logo em seguida, houve o fechamento do comércio. Vi uma matéria falando do programa e procurei o Bandes, onde fui orientada e envie a documentação para contratar o financiamento”, afirma a empresária.

O gerente de Negócios do Bandes, João Henrique Costabeber Perin, referência do banco no atendimento do programa, ressalta que o banco disponibiliza canais de atendimento adequados para orientação e contratação da linha de crédito para capital de giro.

“O empreendedor que tem interesse em ter acesso aos recursos do Desenvolve Rio Doce, pode acessar o nosso site, onde temos uma página exclusiva para este produto. Ao acessar o link bandes.com.br/riodoce, o cliente terá todas as informações que ele precisa para acessar a linha como, por exemplo, taxas, prazos, documentos e formulários que serão necessários para contratação do recurso”, pontua Perin.

Fundo Desenvolve Rio Doce

O Fundo é uma parceria entre o Bandes, o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) e a Fundação Renova, com o objetivo de compensar municípios mineiros e capixabas impactados pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG). O crédito apoia negócios locais com valores que vão de R$ 10 mil até R$ 200 mil, com taxa de juros a partir de 0,45% ao mês. O empreendedor que optar pela linha de crédito pode ter carência de até seis meses, com parcelas fixas no período de amortização.

O financiamento

Empreendimentos de Baixo Guandu, Colatina, Linhares, Marilândia e o distrito de Barra do Riacho, em Aracruz, são atendidos pela linha de crédito com recursos do Fundo. Para ter acesso ao crédito, o empreendedor deve procurar um dos consultores credenciados pelo Bandes da região onde a empresa se localiza ou acessar o site do Bandes para obter atendimento, por meio dos canais on-line.

Condições operacionais

Valor de financiamento de R$ 10 mil a R$ 200 mil, com taxa de juros a partir de 0,45% ao mês. Carência de até seis meses e parcelas fixas.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui