sábado, 25 de maio de 2024 / 02:32
InícioDireitoAles debate ações contra violência nas escolas

banner topo matérias 728x90px

Ales debate ações contra violência nas escolas

Somente no ano de 2022, o setor de inteligência da Polícia Militar (PMES) identificou 34 ameaças de ataques em escolas no Espírito Santo, fora as que de fato acabaram se concretizando. Os números apresentados pelo comandante da Companhia Especializada de Polícia Escolar (Cepe), capitão Eliandro Claudino de Jesus, preocupam as forças de segurança e acendem um alerta. O tema foi debatido na reunião ordinária da Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa (Ales), na última terça-feira (4).

“Na nossa unidade nós não encaramos nem uma frase em banheiro como uma brincadeira ou um trote. Nenhum desses eventos nós encaramos como uma simples brincadeira, todos nós levamos à máxima seriedade na apuração. Infelizmente alguns ainda não são possíveis de identificar a autoria. (…) No segundo dia de aula, no dia 2 de fevereiro (de 2023), nós tivemos um evento marcante em uma escola, na identificação de um aluno com reais intenções de promover um evento desse porte”, alertou.

Desde o último ataque realizado em uma escola de São Paulo, há duas semanas, a Cepe já identificou três reais ameaças em instituições de ensino capixabas. “Eu não estou falando para causar pânico ou para causar temor, pelo contrário, é para nós refletirmos que o problema está posto e nós precisamos discutir cada vez mais, para chegarmos a medidas mais protetivas, garantir pelo menos a proteção”, ressaltou.

O presidente do colegiado, deputado Delegado Danilo Bahiense (PL), cobrou urgência na adoção de medidas. “Nos acendeu um sinal forte de alerta. Isso tem exigido das autoridades ligadas à Segurança Pública, Saúde e Educação, profundas reflexões e urgência em ações preventivas e repressivas, pois afeta profundamente a comunidade escolar e toda sociedade, de um modo geral”, opinou. 

Foto Ales - JV Andrade
Foto Ales: – JV Andrade

Atuação nas escolas

O comandante da Cepe falou sobre sua experiência ao longo dos últimos anos, atuando nas escolas da rede pública do Estado. “Não é um tema com soluções simplistas. Envolve muita reflexão, muito diálogo e algumas mudanças de mentalidade, por assim dizer, ou quebras de paradigmas, principalmente quando nós precisamos abordá-lo de forma mais clara”, afirmou o capitão Eliandro Claudino de Jesus.

O policial explicou que as ações vão sendo construídas com o aprendizado das equipes que atuam nas escolas. “Desde 2010, quando começamos essa atuação dentro das escolas, vem acontecendo um constante aprendizado de atuação da PMES junto às escolas do nosso estado. Um aprendizado porque realmente é um ambiente que merece toda atenção e merece a reflexão, dada a sua complexidade”, ressaltou.

Comitê integrado

Após os últimos eventos ocorridos no estado, o governo optou pela criação de um Comitê Integrado de Segurança Escolar, em uma parceria entre as secretarias estaduais de Segurança (Sesp) e Educação (Sedu), voltado para o desenvolvimento de ações de prevenção e enfrentamento à violência nas escolas da rede pública do Estado. O comitê é formado por 15 grupos temáticos, criados com o objetivo de direcionar os esforços.

O subsecretário estadual de Educação, André Melotti, falou sobre as ações integradas, que estão sendo coordenadas pela Sesp, mas que contam com a colaboração de outros setores. “Nós entendemos que esse é um projeto de governo. A partir disso, a Secretaria de Segurança Pública está desenvolvendo o projeto, com os nossos incrementos, junto com a Secretaria de Governo, para fazer um plano único, com as experiências de cada setor”, disse. 

Medidas

O capitão Eliandro falou sobre diversas medidas que sempre são apontadas para prevenir que novos ataques ocorram. Portas giratórias com detectores de metal, instalação de alarmes e de botão do pânico, câmeras com inteligência artificial, entre outras. O especialista explicou que nenhuma dessas ações, por si só, garante uma segurança efetiva aos estabelecimentos.

Rede privada

Os últimos acontecimentos no estado também acenderam o alerta das instituições privadas de ensino do Espírito Santo. O presidente do Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Espírito (Sinepe-ES), Bruno Loyola, falou sobre o esforço integrado dos estabelecimentos, promovendo palestras com especialistas nas escolas e discutindo o assunto entre elas. “Assim vamos intercalando temas, tentando despertar cada vez mais esse olhar para a segurança patrimonial, e para a segurança em especial dos nossos alunos”, concluiu.

Tecnologia

Já a promotora de Justiça Moema Ferreira Giuberti falou sobre o uso da tecnologia no enfrentamento, na prevenção e na compreensão das novas gerações. Ela defendeu a tese de que é preciso compreender os processos e a forma como as relações pessoais se desenvolvem nos dias de hoje, antes de adotar medidas de prevenção nas escolas.

“É importante que a gente coloque as polícias, as forças de seguranças nas escolas, mas, acima de tudo, é necessário que nós entendamos o processo de violência nas escolas. E a gente vai conseguir entender esse processo, quando nós adotarmos um processo de audição para com esses menores e jovens. Numa sociedade em que nós vivemos hoje no ciberespaço, a gente não pode mais pensar de forma analógica, nós temos que pensar de forma tecnológica”, destacou a representante do Ministério Público do Espírito Santo (MPES).

 

Fonte: Assessoria Ales

banner lateral 300x300px 2

banner lateral 300x300px 2

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

banner lateral 300x300px 3