Início Noticias Artigo: Entre a cruz e a espada no cenário da Covid-19

Artigo: Entre a cruz e a espada no cenário da Covid-19

banner topo matérias 728x90px

Certa vez, um cavalheiro sofria um dilema: ou aceitava se converter ao cristianismo e ser salvo, ou permaneceria com sua religião e seria morto por ser considerado um herético. O pobre cavalheiro ficou entre a cruz e a espada e até hoje não se soube da sua escolha. 

O século era o XI e o movimento da época era as “Cruzadas” que foram expedições militares organizadas por católicos da Europa Ocidental, com o objetivo inicial de reconquistar para o mundo cristão lugares sagrados, como o Santo Sepulcro, em Jerusalém, na Palestina, bem como, converter e conquistar novos adeptos. 

No entanto, o objetivo religioso não era o único interesse dos organizadores, apesar de ser o argumento utilizado para fundamentar a ação. A Quarta Cruzada, ocorrida entre 1202 e 1204, por exemplo, foi comandada por comerciantes venezianos que conseguiram tomar a cidade de Constantinopla dos bizantinos, criando o Reino Latino de Constantinopla. Com essas medidas, os venezianos e genoveses, principalmente, passaram a controlar as rotas comerciais no Mediterrâneo.  

Esse período da história foi banhado de muito sangue, mortes e despropósitos. Uma guerra disfarçada de peregrinação e penitência, na qual os peregrinos penitentes”, acreditavam que seus pecados seriam perdoados caso completassem a jornada e cumprissem a missão divina de libertar locais sagrados, como a Igreja do Santo Sepulcro.  

O tempo passou e o século XXI nos trouxe uma nova Cruzada revestida em forma da busca pela vacinação. O mundo precisa ser vacinado contra a Covid-19 e a corrida pela cura da doença, fez com que cientistas achassem fórmulas, em menos de um ano. 

Mas, assim como nas Cruzadas existem interesses “ocultos” e vacinar a população não é o único objetivo. Diante de tantas mortes, há a desconfiança de alguns que preferem esperar um milagre a tomarem a vacina seja por convicções religiosas ou medo dos efeitos colaterais. Há também a fome, o desemprego, o desespero, a privação de liberdade, o caos na economia, a guerra política, desestabilidade emocional, entre outras ramificações da Covid-19. 

O palco está armado e o sangue dos guerreiros da Covid-19 pode ser visto em plantões intermináveis, em médicos com esgotamento físico e mental e em dirigentes cansados. 

Enquanto isso, o vírus toma novas formas: uma hora aumenta, em outra estabiliza, mas não vai embora. Todos sofrem. Alguns em menor intensidade, outros em maior, mas o certo é que ninguém vai sair imune dessa guerra. As feridas já estão estampadas em perdas materiais, emocionais e pessoais. 

O objetivo então, não é apenas vacinar, mas sim ressignificar a vida e ter mais fé no amanhã. Somos parte de uma estatística que está sobrevivendo e lutando contra uma doença invisível. Uma pandemia interminável e devastadora que se renova a cada dia e nos traz novos obstáculos ao amanhecer. Somos homens, seres humanos, sensíveis e guerreiros. Entre a cruz e a espada, a saída é escolher a vida e lutar por ela, hoje e sempre. O caminho é incerto e longo, mas os brasileiros não vão desistir de vencer essa guerra. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

banner lateral 300x300px 2

Anuncio de video

HTML Code here

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -
- Publicidade -