Página Inicial / Empreendedorismo / Opinião – A lei da pesca, a lei da vida: Quanto “Vale” o mar?

Opinião – A lei da pesca, a lei da vida: Quanto “Vale” o mar?

Desde menino via meu pai saindo para pescar no litoral do Sul de nosso Estado. Nas mãos, anzol, linha, rede e iscas. Tudo pronto para se lançar ao mar e trazer de lá não só o peixe, que era nosso sustento, mas também a alegria de horas em comunhão com a natureza e consigo mesmo, numa meditação direta com Deus.

Eram tempos difíceis financeiramente, mas muito felizes porque tínhamos a imensidão do mar, o amor da família que nos unia e, principalmente, a certeza de que tudo poderia mudar, menos esse amor e a beleza do mar, nos saciando a fome e os olhos com a sua majestade.

Mas as coisas mudaram. Me tornei advogado, meu pai também se formou em Direito e meu irmão seguiu a carreira da enfermagem. O amor pelo mar continuou, como ensinado por nosso pai.

Aquela imensidão de peixes e alegria acabou. Acabou primeiro porque tive que vir para a capital estudar, me estabelecer e tocar a vida. Segundo porque e, mais recentemente, a estupidez humana assim o quis.

Me sinto parte legitima para falar dos rompimentos de barreiras da Vale, que ocasionaram um grande desastre ecológico, levaram mais de 200 pessoas a óbito e deixaram nossos rios e mar com baixíssima capacidade de pesca.
Com o rompimento da barreira, em primeiro plano tivemos afetados a pesca nosso litoral de norte a sul. Sentimos na pele esta violência ambiental, já que meu irmão vive da pesca, sustenta quatro filhos e uma esposa com sua atividade pesqueira e se viu sem trabalho e, consequentemente, sem recurso financeiro, simplesmente porque não já tinha peixe e nem camarão no mar.

Ora, é a Vale responsável por esse dano ambiental? É responsável pelo prejuízo imensurável que gerou à tantas famílias de pescadores que vivem da pesca artesanal, como meu irmão e sua família? Pode uma empresa deixar que barragens atinjam pessoas sem dar à elas chance sequer de sobreviver? Pode uma empresa atingir o meio ambiente com um golpe tão letal, que sequer conseguimos pescar em nosso litoral?

Penso que não pode. Tenho um barco, pesco também, sou filho de pescador, meu irmão é pescador, temos orgulho de falar isso. Contudo, nunca nos deparamos com algo tão agressivo aqui no nosso Estado contra o mar e contra os pescadores.

Acredito que esta empresa deveria zelar pela vida humana e pela vida marinha, entretanto o que vivemos e enxergamos são danos ambientais gravíssimos e danos em nossa sociedade pesqueira que não vejo reversão nesta geração humana.

Vivo diariamente com esta reflexão: Estamos diante de uma dano ambiental? Estamos diante de um dano material e moral frente à sociedade pesqueira? Estamos diante de um crime? O que não consigo hoje é ficar calado frente às atrocidades narradas acima. Não consigo esquecer que foi o mar que me tornou gente, me tornou homem e me aproximou ainda mais do núcleo da sociedade, a família.

Eduardo

Eduardo Santos Sarlo
Advogado

TekNow



Sobre Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display