Página Inicial / Direito / Coluna O Ser e a Lei: Redespertar cívico

Coluna O Ser e a Lei: Redespertar cívico

Um redespertar cívico, provocando novos comportamentos frente às questões sociais e políticas, fez com que o brasileiro passasse a questionar mais o erro, o engano e a corrupção, cobrando RETIFICAÇÕES e PUNIÇÕES.

Essa abertura para a PROBIDADE e a HONRADEZ, permitiu que a LUZ brilhasse sobre a OBSCURIDADE reinante.

Atos e fatos tidos, até então, como inexpressivos ou irrelevantes, recebem nova coloração, mostram a sua verdadeira face. É a vitória gloriosa do bem sobre o mal.

Entretanto, em que pese essa nova postura social, o MAL ainda enraizado em alguns segmentos, vez por outra AMEAÇA vir à tona, tentando ABAFAR o BEM pelo qual se tem lutado tanto, o que é extremamente preocupante, pois quando o MAL reina, alguns poucos se beneficiam, enquanto muitos saem visivelmente prejudicados.

 É o que acontece, quando a sociedade, deixando-se  ‘ANESTESIAR’ pelos  ‘FALSOS MERCADORES’ da verdade, mostra-se conivente e omissa. Nessa hora, com a ausência da LUZ, cria o ambiente ideal para o aparecimento indesejável dos  ‘FUNGOS’ da corrupção, das falcatruas, dos jeitinhos escusos, crimes do colarinho branco,  das negociatas, liminares desrespeitosas e lamentáveis.

Solução? Existe. Mas passa pelo entrelaçamento forte e consciente de todos os cidadãos, numa corrente incansável pelo APERFEIÇOAMENTO DOS HOMENS que fazem e impulsionam as Instituições. Deve ser uma LUTA sem tréguas, capaz de despertar esses HOMENS para a necessária e indispensável REFORMA MORAL.  É uma árdua semeadura, admitimos, daquelas em que é preciso semear no plano interno de suas consciências. Isso é muito sério, principalmente se levarmos em conta que ‘esses’ Homens a quem nos referimos são, em última análise, nós mesmos.

Portanto, há necessidade básica da VIGILÂNCIA, para que não vivamos em sociedade como ESPECTADORES DESAVISADOS, prontos para compactuarem com a leviandade ou cobrirem de aplausos a iniquidade.

Persistindo no BEM, portanto, chegaremos a uma sociedade JUSTA, CIVILIZADA e HARMÔNICA. Mas, sociedade justa é, antes de tudo, sociedade CRISTÃ, cujo alcance está no EXERCÍCIO constante da BOA-VONTADE, quer no aprimoramento de CONSCIÊNCIAS, como já dissemos antes, quer no desejo íntimo de caminhar no BEM. E, fundamentalmente, praticar o bem!

 Mas, isso significa, também, que essa LUTA do BEM contra o MAL não pode ficar só na ‘Filosofia’. Ela tem de ser transportada para a vida prática, para o nosso ‘dia-a-dia’  (de pais, cônjuges, profissionais, religiosos, etc.).      Deve estar presente tanto nas grandes atitudes como nas pequenas decisões de todas as horas, porque…..Instituições FORTES e SADIAS só se sustentam sobre alicerces de MORALIDADE e CARÁTER íntegros e uma SOCIEDADE JUSTA só existirá se os HOMENS forem BONS e JUSTOS…..

dr. marcelo

MARCELO PAES BARRETO

Professor de moral e cívica – 1974/5; professor de Direito de 1976 a 2011; Defensor Público de 1977 a 2011. Estudando, estudando, estudando como aprendiz a Doutrina Espírita desde 1968.

No Banner to display



Sobre Redação

Comentários

  1. Jose Luiz Figueiredo

    Ok Marcelo muito bom o texto. Parabéns. ABS do amigo Figueiredo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display